domingo, 16 de junho de 2019

Desmedida...


FOTO: GOOGLE


Suas vestes são,
sem cor, descolorida.
Por pensar ser poetisa,
te idolatro na ilusão,
de tê-lo por perto
nas minhas poesias.

Teu dorso sem rosto, chapisco...
Visto seu corpo com as silabas.
Anoto recados estranhos,
sem sentido, sem noção.
Minh'alma gêmea perdida,
sem alma ou coração!

Caminho a noite sozinha,
mas seus olhos brilhantes,
iluminam cada percurso.
Sem ter o que fazer,
falo de ti num discurso.
Acho que fiquei louca...
Talvez, uma frase irônica.

Você aqui perto,
me faz escrever torto.
Me perco nas rimas,
sapateio nas linhas e,
de você, tomo um toco.

Misturo tudo...
Rabisco um rio turvo,
desenho um céu fosco,
e suas lagrimas secas,
viram simples poemas.
Num sopro, te sopro pra longe.

Me achas louca?
Talvez, um pouco maluca?
Pois sem você, como minha musa,
fico perdida, sem prumo...
Caio no abismo do livro,
amasso folhas e folhas...
Emudeço, desfaleço!

Simone Simone
(Rosa Azul)

quarta-feira, 22 de maio de 2019


FOTO: Second Life
(Cacau Roussel)

Quando a maquina parar... 
 Se revoltar e não aceitar, 
 que você a conserte. 
 Quando os seus, poucos neurônios,
   entrarem em curto e travar... 
 Você poderá não aceitar. 
 Quando mesmo assim, estática, 
 você insistir em alimentar, 
 veias, sangue, nervos, órgãos... 
 Terás que ressuscitar seus desejos. 
 Quando tudo entrar em modo off, 
 e você ter que lutar para ficar on... 
 Mesmo assim, estará sentindo, 
 falta das energias de comando. 
 Entrara em contradição... 
 Entregara de forma rápida, 
 as entranhas da tua alma, 
 os delírios de teu coração. 
 Nada restara, desconstruída, 
 sem sentir nenhuma emoção, 
 padecera nas redes desorganizadas. 
 Ficara como a sua vida, estática.
 Seras morta e crucificada... 
 Entenderas de forma abrupta, 
 que o sinal caiu, a conexão parou.
 Foi interrompida de vez, 
 a vida sórdida e mesquinha, 
 que tirou por horas e dias, 
 você da sua real vida!

(Rosa Azul)

quarta-feira, 20 de março de 2019

A Menina e seu Gato.


IMAGEM: GOOGLE

Todos os dias ao acordar,
seu gato estava sempre la...
Ela lhe dava bom dia com o olhar.
Afagava sua nuca e lhe sorria.
O gato, muitas vezes, se contorcia,
baixava sua defesa, e as garras recolhia.

Olhava a sua dona, de baixo para cima,
admirava seus cuidados, sua simpatia.
A menina tratava o gato como gente,
todos os dias, lhe dava água, comida, carinho.
E, o gato agradecido, ronronava contente.

Os anos foram se passando...
A menina se tornou uma mulher linda.
E, a cada novo dia, ela ainda lhe sorria.

Mas eis que, um novo ser apareceu...
Alguém que roubou o amor de sua dona.
Um ser humaninho pequeno e frágil,
que a deixava totalmente feliz, encantada.

O gato foi ficando de lado, solitário.
Ela ainda o alimentava, cuidava, mas...
Seu sorriso agora, tinha outro dono.

Com o passar dos anos, o gato foi definhando.
E, com o acalento daquele que roubou a sua dona,
se despediu dessa vida, e se tornou "seu Anjo"!

( Simone Simone/Rosa Azul)

quarta-feira, 7 de novembro de 2018


FOTO: GOOGLE

Total espaço,
sem quinas ou cantos.
Vasos destilados,
canais desobstruídos.
Sons líquidos,
silêncio invadido.
Perdido no tempo,
do tempo perdido...
Dura rotina,
numa leve confusão.
Preso em celas,
paredes de concreto.
Ser humano feito objeto.
Asfalto cinza,
tons e semi tons,
de corpos perdidos,
 sucumbido em meio a multidão
Avarias...
Passos confusos,
choros incontidos,
tremendo distúrbio,
da vida vazia.
Sem solução,
assim te vejo,
ser humano invisível,
vivendo sua rotina,
num mundo plausível...

-Rosa Azul-